Confira mais sobre o XV!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Ripolianas I - Quando Rípoli quis contratar Rivelino!


"A paixão piracicabana pelo E.C.XV de Novembro ainda não foi de todo compreendida por nossas classes dirigentes. O Nhô Quim é uma de nossas griffes principais. E, quando o povo tem bandeiras comuns, tudo fica mais fácil, no fortalecimento de identidades. Romeu Ítalo Rípoli sabia disso. E sua paixão pelo XV beirava à irracionalidade. Pelo XV, o XV como fim, valiam todos os meios. Até o golpe do baú.

Rípoli era mestre em realizar o que hoje passou a se chamar de factóide. Se não havia notícia, ele inventava. Se nada de novo acontecia, ele criava. E seus blefes e invencionices eram tão absurdos que passavam por verdadeiros. Na década de 1970, o Corinthians perdeu um título tido como ganho num jogo contra o Palmeiras. Tudo estava acertado para o Corinthians voltar a ser campeão, algo que, então, parecia, aos governos militares, como questão de segurança nacional. Mas o Corinthians perdeu. E o bode expiatório foi o extraordinário craque Rivelino que, na verdade, tremeu naquele jogo. E a torcida o execrou, transformando, num momento, o ídolo em vilão.

Era incrível: a torcida corintiana não queria mais Rivelino no time. E, por quantia milionária, o Corinthias começou a negociá-lo com o Fluminense, do Rio de Janeiro. Era quase que uma ofensa ao futebol paulista, no qual Rivelino reinava de forma esplendorosa. E o que fez, então, Romeu Ítalo Rípoli? Convocou a imprensa paulista, jornais, rádios e emissoras de televisão, informando que tinha uma grande notícia para dar, decisão bombástica.

Ora, todos sabiam da difícil situação financeira do XV, mas controlada de maneira genial por Rípoli. Ele contava tostões. Jogadores tinham salários baixos, básicos. E ele dava "bichos" altíssimos por cada vitória. A estratégia fazia com que jogadores se matassem em campo para ganhar os "bichos". E dava certo. Mas a situação financeira era precária. Mesmo assim, Rípoli convou a imprensa, anunciando a "bomba", aquela que seria uma contratação de repercussão internacional. Enrolando o cigarrinho de palha, diante de microfones e câmeras de televião, Rípoli anunciou, com aura de herói:

- O que o Corinthians está fazendo é uma vergonha para o futebol paulista. Rivelino é patrimônio dos paulistas e não podemos admitir que ele se transfira para o Rio de Janeiro.

Paralisaram-se microfones, máquinas fotográficas, emudeceram-se jornalistas e radialistas. Rípoli lambeu a palha do cigarrinho, deu o nó final, acendeu, tirou umas baforadas, fulminou a imprensa nacional:

- Diante de tamanha agressão ao futebol paulista, eu resolvi: o XV irá fazer um grande sacrifício, mas não permitiremos que Rivelino vá para o Rio de Janeiro. Já comuniquei à diretoria do Corinthians que quero comprar o passe de Rivelino, que ficará em São Paulo e jogará com a camisa alvi-negra do Nhô Quim.

A mentira era tão grande, mas tão grande que ninguém duvidou. E, durante um mês, o XV e Rípoli ocuparam espaços e tempo enormes nos meios de comunicação brasileiros. O Fluminense, diretoria e torcida, quase enlouqueceram, o Corinthians aumentou o preço do passe de Rivelino e Rípoli, com cara de santo, alegava que a diretoria corintiana estava fazendo jogo sujo com o XV, leiloando Rivelino. Que, obviamente, foi para o Fluminense. E Rípoli nunca confirmou ter sido blefe e mentira a oferta por Rivelino. "Eu ia comprar, estava tudo certo. O Corinthians é que me traiu."

Para se ver que não se fazem mais Romeu Rípoli como antigamente."


Foto: Romeu Ítalo Rípoli - Acervo Pessoal - João Luís Almeida

Texto: Cecílio Elias Netto para "A Província"

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

XV - 97 anos!

Dia 15 de novembro de 1913 nascia um o clube mais tradicional do interior do Estado de São Paulo. Denominado Esporte Clube XV de Novembro, se tornou ao longo dos anos um dos clubes mais amados do Brasil.
Conhecido pelo amor incondicional de sua torcida, que nunca abandonou o clube, apesar das dificuldades enfrentadas nos últimos anos, o XV busca retomar seu lugar na Primeira Divisão do Futebol Paulista!
PARABÉNS XV!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Romeu Itálo Rípoli

O Blog Histórias do XV inicia sua nova série de postagens: As Ripolianas!

Para iniciar a nova série, veremos primeiramente a história de uma das pessoas mais conhecidas da longa história do XV de Piracicaba: Romeu Ítalo Rípoli.

Foto: Romeu Ítalo Rípoli
Rípoli nasceu em Piracicaba no dia 21 de novembro de 1916 e faleceu, aos 66 anos de idade, em 28 de outubro de 1983.


Rípoli, filho de imigrantes italianos, formou-se em 1940 na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Começou sua história no futebol atuando como ponta direita do time da ESALQ - USP, mas ficou muito conhecido como o maior presidente da história do XV!



FOTO: Equipe de Futebol da Esalq. Em destaque, Rípoli!
A história de Rípoli com o XV começou antes mesmo deste ser presidente do Alvinegro. Rípoli, nos anos 40, coordenou a construção da primeira arquibancada do estádio Alvinegro. Rípoli também coordenou, com muito sucesso, a construção do Ginásio Waldermar Blatkauskas, fazendo com que Piracicaba pudesse receber os Jogos do Interior de 1955.

Rípoli foi presidente do alvinegro entre 1959 - 1966 e 1973 - 1983, ficando, ao todo, 17 anos a frente do XV.

Em breve, contaremos diversas histórias contadas por Cecílio Elias Netto, denominadas "Ripolianas". Segundo afirmado por Cecílio Elias, Rípoli era uma fonte inesgotável de causos, e alguns deles estarão em nosso blog!

FOTOS: Acervo Pessoal de João Luís Almeida.

BLOG HISTÓRIAS DO XV

terça-feira, 13 de julho de 2010

Personagem do mês - 07/2010 - Dadá Maravilha

Nosso personagem do mês de Julho é uma das figuras mais conhecidas do futebol brasileiro.

Dadá Maravilha começou sua carreira na equipe do Campo Grande, mas logo se transferiu para a equipe do Atlético Mineiro, onde fez história e foi convocado para o Copa de 1970. Dário marcou 211 gols pelo Galo Mineiro, se tornando o segundo maior artilheiro da história do clube.

O folclórico Dadá passou ainda por grandes equipes do futebol brasileiro, como Flamengo, Internacional e Bahia.

Após passar por 14 clubes diferentes, Dadá aceitou uma proposta do Alvinegro Piracicabano em 1985. O XV time de Dadá somente poderia ser o glorioso XV de Piracicaba.

Dadá encerrou sua carreira uma ano depois da passagem pelo XV, deixando marcada sua passagem pelo futebol nacional.
Foto: Dadá recebe homeagens da torcida do XV - por http://www.amaiordointerior.com/

Foto: Em destaque, Dadá no elenco Campeão da Copa de 1970!

Vídeo: Dadá chega ao XV! por http://www.youtube.com/

Blog Histórias do XV

quinta-feira, 1 de julho de 2010

O Primeiro Gramado Alvinegro!



A foto acima se refere ao ato da aquisição do primeiro campo do Esporte Clube XV de Novembro. O local é situado no quarteirão das ruas: do Comércio (hoje Gov. Pedro de Toledo.); do Conselho (atual Regente Feijó); Santo Antônio e do Rocio (hoje Monsenhor Manoel Rosa). Atualmente no local funciona o supermercado "Extra".
Nosso primeiro presidente, Carlos Wingeter, capitão da Guarda Nacional, ganhou a importância de 10 contos de réis em um “Fundo Mútuo” e aplicou-a na compra daquele terreno, onde os quinzistas praticavam o futebol e que estava arrendado no nome do presidente.

Mais tarde, Carlos Wingeter deixou, provisoriamente, a presidência do clube, que passou a ser exercida pelo Dr. Antônio Augusto de Barros Penteado, que, na época, era prefeito municipal. Este cidadão adquiriu em nome do XV aquele imóvel, e mais tarde, lançou na praça ações no valor de duzentos mil réis, cada, obtendo doze contos de réis. Esta importância serviu para pagar o campo e levar a efeito a construção do muro que passou a cercar aquele terreno.

Datas:

A escritura de arrendamento do campo, em nome de Carlos Wingeter, foi lavrada em 18 de setembro de 1915 e a escritura de compra e venda daquele imóvel, em nome do XV, no dia 18 de Abril de 1918, quando então passou ao seu domínio.
Primeiro Jogo Oficial:
Foi realizado no dia 12 de Dezembro de 1915, contra um “scratch” da cidade, e terminou com a vitória do XV pela contagem de 3 x 0.
Primeiro Gol Oficial:
Coube a Belmácio Pousa Godinho, assinalar o primeiro gol, às 17 horas do dia 12 de Dezembro de 1915.

Primeiro Jogo Internacional:

O primeiro jogo internacional no Campo do Alvinegro foi realizada em 15 de Agosto de 1928, contra a equipe do Penãrol do Uruguai. A partida foi eletrizante e terminou com a vitória do XV pela contagem de 2 x 1.

Primeira Arquibancada:

A primeira arquibancada do estádio foi desenhada pelo Sr. Augusto Rochele Filho. A pedra fundamental foi lançada dia 1º de Janeiro de 1926 e foi concluída apenas em 9 de setembr0 de 1928. A arquibancada foi inaugurada na derrota do alvinegro para a forte equipe do Clube Atlético Paulistano. Antes da partida a arquibancada foi benzida pelo Monsenhor Conego Rosa. O jogo trouxe um lucro para o alvinegro de Cento e Trinta Mil Réis.

FOTO: A foto acima foi tirada no dia da inauguração da primeira arquibancada do alvinegro!
FOTOS E INFORMAÇÕES: Acervo Rocha Netto

BLOG HISTÓRIAS DO XV

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Jogos para a História II

O DIA EM QUE O ALVINEGRO DO INTERIOR DERRUBOU O ALVINEGRO DA CAPITAL!

O jogo foi disputado na manha do dia 25 de Maio de 1980 e apartida era válida pela segunda rodada do primeiro turno do Campeonato Paulista da Primeira Divisão. O Corinthians tinha acabado de demitir o técnico Jorge Vieira, após o empate a desclassificação no campeonato brasileiro e o empate com equipe do Botafogo (SP), deixando nas mãos do interino Julinho o comando da equipe.

O jogo:

Logo aos 23 minutos do primeiro tempo, Zé Luís abriu a contagem para o Alvinegro Piracicabano. O Corinthians partiu para o ataque e conseguiu o empate ainda no primeiro tempo, com Toninho, aos 34 minutos. O jogo permaneceu equilibrado, até que aos 30 minutos da segunda etapa o artilheiro Oriel balançou a rede para o XV. O jogo terminou com a vitória do Alvinegro do Interior, deixando o alvinegro da capital com mais uma derrota.

Corinthians
Solito; Zé Maria, Djalma, Amaral e Luís Cláudio; Caçapava, Biro-Biro e Sócrates; Piter (Vaguinho), Toninho e Carlinhos (Basílio)
Técnico: Julinho

Xv de Piracicaba
Pizeli; Alan, China, Ademir e Márcio Gomes;Vandinho, Fio e Rogério; Ronaldo, Oriel e Luís.

Gols: Toninho (Corinthians) / Zé Luís e Oriel (XV de Piracicaba)

Árbitro: Romualdo Arppi Filho

Na foto: equipe que defendeu o alvinegro de Piracicaba na década de 80.


FOTOS: Site Terceiro Tempo (Portal IG).

INFORMAÇÕES: Federação Paulista de Futebol.

BLOG HISTÓRIAS DO XV

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Personagem do mês - 05/2010 - Paulinho Ferreira

Foto: Paulinho no início da Carreira no Nhô-Quim

Faltando ainda 6 anos para a realização das Olimpíadas do Rio de Janeiro o blog traz um jogador olímpico Piracicabano nato, que começou sua carreira no Alvinegro Piracicabano!

Paulo Ferreira de Camargo Filho, o Paulinho nasceu em Piracicaba, em 14/01/1940, e começou sua carreira no infanto-mirim do XV em 1953. Paulinho era meia-direita e, em 1957 estreou no time de profissionais, atuando em apenas quatro jogos (Contra o São Paulo, Santos, Juventus e Nacional), momento em que despertou o interesse da equipe do Palmeiras, que contratou o jogador no ano de 1958 para atuar nas equipes de base.

Foto: Equipe do XV na década de 50 - De pé: Bagagé, Luís, Cardinali, Almir, Jorge Perina, Rodela, colega e o treinador. Agachados: João Leonel, Paulinho, Said, Godoy, Mimo e Pachequinho.

Em 1960 foi promovido para o time profissional do Palmeiras. Com apenas 20 anos foi convocado para jogar as Olimpíadas de Roma pela seleção Canarinha. Nesta Olimpíada o Brasil venceu duas partidas e perdeu uma, justamente contra os donos da casa, a poderosa Itália! O Brasil venceu a equipe da Grã-Bretanha por 4 x 3 e de Taiwan por 5 x 0. Na terceira partida o XV perdeu para a Itália que contava com o famoso Giovanni Trapattoni, encerrando sua participação. O Brasil contava com Gérson, o canhotinha de ouro da Seleção Tri-Campeã MUNDIAL! Paulinho foi titular em todas as partidas.
Foto: Paulinho durante partida dos Jogos Olímpicos de Roma em 1960.

Foto: Equipe Olímpica do Brasil em 1960 - Paulinho é o segundo agachado, ao lado de China e Gérson.

Paulinho ainda passou pela Prudentina, Ferroviária, Lara F.C.(Venezuela), onde foi campeão Venezuelano, disputando então sua primeira Copa Libertadores. Passou ainda pelo Deportivo Itália (Venezuela), onde faturou mais 2 títulos nacionais e disputou mais 2 libertadores. Paulinho ainda foi pretendido pelas equipes do River e Boca da Argentina, porém permaneceu na Venezuela até 1973, quando encerrou sua carreira como profissional.

Hoje Paulinho ainda mora em Piracicaba, onde tem filhos, netos e bisnetos.

INFORMAÇÕES: Almanaque do Palmeiras - Celso Unzelte e Mário Sérgio Venditti.
FOTOS: Por site Terceiro Tempo (Portal IG).

BLOG HISTÓRIAS DO XV

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Jogos para a História!

Para iniciar a nova série do blog, nada melhor do que o Alvinegro vencendo um dos maiores times do Brasil, e ainda mais por um placar inesquecível!

No dia 11 de novembro de 1979, o XV de Piracicaba enfrentou a equipe do Grêmio (RS) no Barão da Serra Negra, jogo válido pelo Campeonato Brasileiro de 1979, vencido pelo Internacional (RS). Este jogo que para muitos foi o melhor jogo do XV na história, terminou com grande vitória para o alvinegro.
A equipe do Grêmio contava com jogadores que marcaram época pelo clube: Tarciso e Éder Aleixo, além de Manga, que ficou conhecido por sua passagem pelo rival Internacional (RS).

Já o XV, contava com o grande goleiro Getúlio, que até hoje é considerado um dos melhores goleiros da história do alvinegro, e também com o meia-armador Ademir, que depois se transferiu para o São Paulo Futebol Clube, clube em que jogou por 133 vezes.

XV de PiracicabaGetúlio, Ademir, China e Zé Luís (Pitanga); Almeida, Fio, Rogério, Vandinho e Alã; Oriel e Ronaldo (Fernando).
Técnico: Adésio de Almeida

GrêmioManga, Dirceu (Nardela), Ancheta, Vantuir e Vilson; Vitor Hugo, Baltazar, Jurandir (Gerson), Paulo César Lima; Tarciso e Éder Aleixo.
Técnico: Orlando Fantoni

Gols: Zé Luis, Oriel e Fernando (XV de Piracicaba)

Na Foto: Da esquerda para direita: Getúlio, Rogério, Fio, Oriel, Ronaldo, Alan, China, Ademir, Almeida, Zé Luis e Vandinho.

FOTOS E INFORMAÇÕES: Site Terceiro Tempo (Portal IG).

BLOG HISTÓRIAS DO XV.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A torcida era feliz e não sabia!

Em 1995, o Esporte Clube XV de Novembro teve seu último ano na elite do Futebol Paulista.

Após um ótimo início de campeonato, o time caiu de produção e acabou, na última rodada, após uma enorme combinação de resultados, deixando a primeira divisão do futebol paulista, não voltando até hoje!

O jogo em questão foi realizado no dia 12/02/1995, contra a equipe do Santos, que viria a ser vice campeão brasileiro no mesmo ano, perdendo a histórica final para o Botafogo-RJ. O Santos contava com grandes jogadores como Edinho (filho do rei Pelé), Gallo, Jamelli, Giovani e Macedo!

Já o alvinegro piracicabano contava com Anselmo, Biluca (Nascido em Piracicaba), Doriva (Convocado para a Seleção Brasileira no mesmo ano) e também com o técnico Rubens Minelli.

Esperamos dias melhores para o nosso alvinegro, recebendo quem sabe em nosso centenário equipes de maior qualidade, maior tradição, e disputando o campeonato da Divisão Principal do Campeonato Paulista.



Fotos: O Barão ficou lotado para receber o grande jogo entre dois dos maiores alvinegros do Brasil!
Créditos das fotos: Comunidade "XV de Piracicaba" no Orkut.
Escalações - XV de Piracicaba 0 x 0 Santos
XVde Piracicaba
Anselmo; Vagner, Biluca, Nem e Zinho; Doriva, Alex, Carlos Alberto (Alberto) e Julio Cesar; Celinho e Claudio Moura. Técnico: Rubens Minelli

Santos
Edinho; Silva, Mauricio Copertino, Narciso e Marcos Paulo (Ronaldo); Gallo, Carlinhos, Giovani e Marcelo Passos; Macedo (Camanducaia) e Jamelli. Técnico: Joãozinho

BLOG HISTÓRIAS DO XV