Confira mais sobre o XV!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

47 anos de Barão da Serra Negra

O Estádio Municipal Barão da Serra Negra é um dos Estádios com maior história do Estado de São Paulo.

Segundo as informações oficiais, o Estádio tem capacidade para 26.528 pessoas. No entanto, tendo em vista as restrições legais, o estádio teve sua capacidade limitada em cerca de 20 mil torcedores. O campo tem atualmente dimensões de 101 x 75,30 metros, considerado de tamanho intermediário levando-se em conta o limite de 120 x 90 metros.

FOTO: Imagem aérea da partida de inauguração do Barão da Serra Negra.

HISTÓRIA
A ideia da construção do estádio surgiu no ano de 1953. O prefeito da época, Dr. Samuel Castro Neves, assinou a Lei nº 368, autorizando a desincorporação da classe dos bens de uso comum do povo e transferência para a classe dos bens patrimoniais do município de uma área de 48.767,52 m², que constituíam a Praça Barão da Serra Negra.

O projeto visava não só a construção do Estádio Municipal, mas também do Ginásio Municipal, tendo em vista que Piracicaba iria sediar os Jogos Abertos do Interior de 1955.

Ainda sob o comando de Dr. Samuel, foi criada a Comissão Pró Construção do Estádio Municipal, composta por 5 pessoas, que tiveram a incumbência de elaborar plantas, efetuar os pagamentos, obter donativos, proceder à venda das cadeiras cativas, elaborar os estatutos que regeriam seu funcionamento, entre outra questões.

Em 1960, já na administração de Francisco Salgo Castillon, foi publicada a Lei Municipal 924, autorizando a construção do Estádio Municipal e de três mil cadeiras cativas. As obras foram iniciadas somente no ano de 1961, com a derrubada de todas as árvores do bosque existente no local.

FOTO: Início das Obras do Estádio Barão da Serra Negra.div>

Ainda inacabado, após quase cinco anos de obras, o Estádio foi finalmente inaugurado pelo Prefeito Municipal Luciano Guidotti em 04 de setembro de 1965.

O JOGO DE INAUGURAÇÃO
Com grande público, na inauguração do “Gigante de Cimento Armado”, como foi chamado o novo estádio da cidade de Piracicaba, a equipe do Palmeiras visitou o XV de Piracicaba. A partida foi assistida por 15.674 pessoas, gerando a renda recorde de Cr$ 19.825.000,00.

Antes da partida houve o hasteamento das bandeiras por autoridades e também a benção do Estádio, procedida por Frei Estevam Maria.

FOTO: Frei Estevam Maria recebe a flâmula do XV em agradecimento à benção ao Estádio.

Ainda antes da boa rolar, o XV de Piracicaba prestou uma homenagem ao presidente do Palmeiras, Delphino Facchina. Por sua vez, o presidente da equipe da capital prestou homenagens à Prefeitura Municipal, oferecendo uma placa de bronze, a qual foi afixada no Estádio Municipal.

FOTO: Momento da entrega da placa oferecida pela presidência do Palmeiras.

Com a bola em jogo, as equipes não conseguiram sair do zero. O zagueiro alvinegro Pescuma foi eleito o melhor jogador em campo, mas não conseguiu ajudar o XV à conquistar os três pontos.

FOTO: Sabino do XV obriga Valdir a realizar boa defesa durante a partida.
As equipes foram a campo com a seguinte formação:

XV DE PIRACICABA – Sílvio; Virgílio, Pescuma, Dorival e Chiquinho; Bastos e Emílio; Varner, Rodarte, Benê e Sabino.

PALMEIRAS – Valdir; Djalma Santos, Djalma Dias, Ferrari e Dudu; Procópio e Ademir da Guia; Gildo, Servílio, Tupãzinho e Rinaldo.

FOTO: Equipe do XV de Piracicaba que entrou em campo na inauguração.
EM PÉ: Gilson Silva (técnico), Melo Aires (médico), Pescuma, Virgílio, Chiquinho, Sílvio, Bastos e Dorival;
AGACHADOS: Varner, Rodarte, Benê, Emílio, Sabino e Osvaldo (massagista).

Encerradas as festividades, o Prefeito e sua comitiva deram a volta inaugural, saudando o público presente no Estádio da Municipalidade.

FOTO: Comitiva oficial dando a volta inaugural no Estádio Municipal.

Conforme é possível observar nas fotos, o local que hoje abriga a denominada "cativa" ou "cadeira numerada" ainda não estava construída no momento da inauguração, sendo construida posteriormente.

Após dois meses e meio de sua inauguração, o Estádio Municipal foi batizado de Estádio Municipal Barão de Serra Negra, por meio da Lei Municipal nº 1.365/65.

FOTO: Imprensa foi acomodada em local improvisado para o dia da inauguração.

O nome dado ao Estádio gerou muita discussão na época, especialmente contestando a grafia equivocada do título de Francisco José da Conceição que era Barão da Serra Negra, e não Barão de Serra Negra.

O equívoco somente foi corrigido pela Lei 7.286/12, publicado no Diário Oficial do Município em 10 de abril de 2012, quando finalmente o nome oficial do Estádio Municipal passou a ser “Barão da Serra Negra”.

Atualmente, o Estádio é considerado um dos templos do futebol do interior paulista. É reconhecido como a grande força do XV de Piracicaba, que conta com sua grande e fanática torcida nos jogos realizados, sendo chamado por alguns de “Barãobonera”, em alusão ao Estádio “La Bombonera” do Boca Juniors.

Informações: SELAM e Arquivo Rocha Netto.
Imagens: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto.

sábado, 21 de abril de 2012

Personagem do Mês 04/2012 - Gatão

No mês de abril de 2012, o Blog Histórias do XV prepara uma justa homenagem ao maior artilheiro da história do XV de Piracicaba: Gatão.

Vicente Naval Filho, o Gatão, iniciou sua passagem no futebol em 14 de maio de 1944, defendendo as cores da S. R. Palmeiras, em partida contra a equipe do Paulista F.C., em partida válida pelo Campeonato Piracicabano de Futebol. O jogador fez sua estreia com o pé direito, já que a equipe da S.R. Palmeiras venceu o Paulista pelo placar de 3 x 2.

FOTO: Gatão em sua estreia pela S.R Palmeiras, de Piracicaba (1944).

Em sua temporada de estreia, Gatão marcou apenas 3 gols, mas despertou interesse dos diretores da equipe do XV pelo bom futebol apresentado.

Após 1 ano e meio de sua estreia nos campos piracicabanos, Gatão assinou contrato com o XV de Piracicaba em 30 de dezembro de 1945. A notícia da contratação de Gatão foi tida como a melhor notícia dos últimos tempo no XV de Piracicaba.

XV DE PIRACICABA
Gatão fez sua estreia oficial com a camisa do XV em um jogo internacional, contra o Libertad do Paraguai, em 18 de janeiro de 1946. Após um jogo muito disputado, a equipe saiu derrotada, pelo placar de 3 x 2, sem nenhum gol do estreante Gatão. Os dois gols do XV foram marcados pelo jogador Alicate.

O primeiro gol de Gatão não demorou a sair. Logo em sua segunda partida com a camisa do XV, no dia 20 de janeiro de 1946, o artilheiro decidiu a partida para o XV diante da Internacional de Limeira, marcando o terceiro gol da vitória por 3 x 2 da equipe Piracicabana.


FOTO: Gatão iniciou sua tragetória no ano de 1946. Na foto Cardeal, Berto, Idiarte, Gatão e Rabeca, em partida contra o Paulista da cidade de Araraquara, que terminou em 8 x 2 para o XV.

Ao longo de sua passagem pelo alvinegro, Gatão foi campeão da 15ª Região, que credenciou o alvinegro para disputa do Campeonato do Interior, bi-campeão do Campeonato do Interior (1947-48) e Campeão do Torneio Início do Campeonato Paulista em 1949.

Gatão fez parte da equipe Pioneira da Lei do Acesso, lembrada até hoje pelos Piracicabanos, com a seguinte escalação: Ari, Elias, Idiarte; Cardoso, Straus e Adolfinho; De Maria, Sato, Picolino, Gatão e Rabeca. A equipe terminou o campeonato com 6 pontos de vantagem para o segundo colocado: Guarani, que ficou com o vice-campeonato. Na ocasião, Gatão foi o artilheiro do XV de Piracicaba, com 18 gols marcados.

FOTO: O ataque que encantou a torcida no ano de 1948: Cardeal e Rabeca (em cima); Sato, Picolino e Gatão (em baixo).

Ainda pelo XV, Gatão foi convocado para a seleção paulista, convidada para realizar o jogo de abertura do Maracanã, construído para realização da Copa do Mundo de 1950. Junto com Gatão, outro jogador que fez história do XV convocado pela seleção Paulista foi Dema, que na época atuava pelo Plameiras. Apesar de não entrar em campo na partida, Gatão começava cada vez mais a despertar o interesse das grandes equipes do Futebol Brasileiro, especialmente Corinthians, São Paulo e Flamengo.

Gatão encerrou sua primeira passagem pelo XV de Piracicaba em 14 de fevereiro de 1952, no empate na partida amistososa contra a equipe do Guarani, na cidade de Campinas. Na última partida de sua primeira passagem, Gatão deixou sua marca, mostrando que deixaria saudades na torcida alvinegra.

Foto: Gatão deixando sua marca em mais uma partida do XV, contra a Internacional de Limeira, na cidade vizinha.

Oficialmente, Gatão encerrou sua passagem pelo XV em 29 de fevereiro de 1952, quando assinou com o Corinthians, com passe fixado em Cr$ 1.200.000,00.

CORINTHIANS
Gatão teve sua estreia no Corinthians em 1º de março de 1952, contra o Botafogo-RJ, em partida válida pelo Torneio Rio-São Paulo do ano em questão.

Ainda em 1952, Gatão integrou a delegação da equipe do Corinhians que viajou até a Europa para enfrentar equipes da Espanha, Itália, Portugal, Turquia, Suécia, Finlândia, Argentina e Colômbia, obtendo 16 vitórias e apenas uma derrota contra o Bechitash, da Turquia, perdendo por 1 a O.

Pela equipe do Parque São Jorge, Gatão foi Campeão Paulista dos anos de 1952 e 1954 e Bi-campeão do Torneio Rio São Paulo nos anos de 1953/54. Ao longo de sua passagem pelo Corinthians, Gatão disputou 79 jogos e marcou 18 gols.

XV DE PIRACICABA
Gatão regressou ao XV na noite do dia 3 de maio de 1955, quando foi trazido de volta para a equipe de Piracicaba juntamente com Marcílio Guerra.

Apesar de não conquistar título pelo XV de Piracicaba em sua segunda passagem pelo clube, Gatão continuou encantando a torcida piracicabana, com grandes atuações e muitos gols.

FOTO: Gatão ao lado do grande destaque do Brasil de 1950, Zizinho, em jogo entre XV e São Paulo realizado em 1957!

Em sua carreira pelo XV de Piracicaba, Gatão disputou 423 jogos e marcou 202 gols, maior marca da história de um jogador pelo XV de Piracicaba em sua quase centenária história.

Gatão encerrou sua carreira de jogador em 7 de janeiro de 1961, em partida amistosa entre XV de Piracicaba e Nacional, da cidade de Jundiaí. A partida terminou com vitória do XV pelo placar de 3 x 1, sem gols marcados pelo artilheiro Gatão. Na noite da despedida do artilheiro, na sede do XV foi inaugurada uma foto de Gatão, que compareceu com toda família e amigos para receber a homenagem. Após o encerramento da cerimônia, foi oferecido um jantar no restaurante "A Brasserie" para comemorar a despedida de Gatão.

Após encerrar sua carreira como jogador em 7 de janeiro de 1961, Gatão ainda não havia encerrado sua história no XV de Piracicaba.

Técnico

Gatão retornou ao XV como treinador em quatro oportunidades. A última delas foi em 1986, quando Gatão foi convocado para ajudar o alvinegro a escapar do rebaixamento. Assumiu a equipe em 26 de julho, com a demissão do treinador Julinho. Estreou logo com uma vitória sobre o Juventus na cidade de São Paulo, vencendo em seguida Guarani e Mogi Mirim e conseguindo um empate contra o América, na cidade de Rio Preto, salvando o XV do rebaixamento com duas rodadas antes do final do Paulistão.

Com a missão cumprida, Gatão pediu demissão logo após o jogo contra o América, já que ficou revoltado con a atuação do árbitro Ulisses Tavares da Silva, que havia feito de tudo para prejudicar o XV contra a equipe de Rio Preto.

FOTO: Após salvar o XV do rebaixamento em 1986, Gatão recebe o "Cartão de Prata" das mãos do capitão Aílton Luiz.

Gatão faleceu tempos depois em decorrência de um câncer, que levou um dos maiores personagens da história do XV.


INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I E PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto.

Blog Histórias do XV

terça-feira, 3 de abril de 2012

Jogos para História - A Ponte caiu: 8 x 1!

Na semana mais importante para o XV nos últimos anos, o Blog História do XV viajou para o ano de 1924, buscando o maior placar registrado até hoje entre XV de Piracicaba e Ponte Preta, equipe que o alvinegro enfrenta no próximo domingo, às 18:30, pela 18ª rodada do Campeonato Paulista.

O dia 24 de junho de 1924 marcou a maior goleada de todos os tempo do clássico do interior do Estado de São Paulo: XV de Piracicaba 8 x 1 Ponte Preta.

A partida disputada na cidade de Piracicaba, levou um bom número de torcedores para acompanhar a equipe da cidade contra a tradicional Ponte Preta. Os torcedores que compareceram saíram entusiasmados com a boa atuação da equipe do XV que venceu a equipe da Ponte pelo elástico placar de 8 x 1.


FOTO: Destaque de "A história do XV" para a goleada do alvinegro!

Os gols dos XV foram marcados por Marcondes (3 gols), Pereira (3 gols) e Mazzonetto (2 gols). A Ponte Preta descontou com Bino, em uma cobrança de pênalti.

O XV de Piracicaba entrou em campo com a seguinte formação: Tonico, Mônaco e Carmo; Achiles, Chico Rochele e Nardini; Alemão, Mazzonetto, Pereira, Marcondes e Pelegrino.

FOTO: Pereira, um dos artilheiros da partida, marando 3 gols contra a A.A. Ponte Preta.

INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I" - Delphim F. Rocha Netto\

BLOG HISTÓRIAS DO XV

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Personagem do Mês - 04/2012 - Piau

No jogo do último sábado, contra o Comercial de Ribeirão Preto, o XV de Piracicaba recebeu uma ilustre visita para acompanhar a partida. Trata-se do ex-jogador Piau, que vestiu a camisa do XV entre os anos de 1966 e 1970, sendo Campeão Paulista da divisão de acesso no ano de 1967.

Aproveitando sua visita em Piracicaba, o Blog Histórias do XV escolheu Piau como personagem do mês de abril de 2012.

HISTÓRIA - Eronides de Souza, o Piau, nasceu 06 de setembro de 1948, na cidade de Getulina no interior de São Paulo.

Começou sua carreira na equipe do Linense, no ano de 1966. Após se destacar em uma equipe que contava com Leivinha, Piau foi trazido para o XV de Piracicaba para disputa da Divisão de Acesso do Campeonato Paulista de 1966, que acabou com o vice-campeonato do XV de Piracicaba.

Piau chegou ao XV de Piracicaba após uma partida entre o XV e a equipe do Linense, realizada em 9 de março de 1996, em que o XV venceu a equipe de Lins pelo placar de 2 x 0, com gols de Lopes e Nicanor. Dias após a partida, no dia 12 de março de 1966, as diretorias de XV e Linense acertavam a transferência do jovem Piau, de apenas 17 anos, pelo valor de 20 milhões de cruzeiros.

FOTO: Piau, em sua chegada ao XV, ao lado de Lopes (Acerco Rocha Netto).

Piau fez sua estreia pelo XV em 20 de março de 1966, contra a A.A. Francana, que derrotou o XV no Barão de Serra Negra pelo placar de 2 x 1.

FOTO: Ataque do XV, formado por Zezinho, Luiz, Mazinho, Eli Cotucha e Piau. (Acervo Rocha Netto).

Após o vice-campeonato da Divisão de Acesso de 1966, quando o XV foi derrotado pela Ferroviária de Araraquara, Piau comandou a equipe do XV de Piracicaba no título da Divisão de Acesso de 1967. A equipe do XV contava com grandes jogadores, como Nicanor, Amauri e Hidalgo.

Na partida decisiva do título de 1967, realizada em 17 de janeiro de 1968, no Estadio do Pacaembu, Piau foi o responsável por marcar um dos gols que deram o título ao alvinegro, na vitória por 4 x 3 contra o Bragantino.


FOTO: Amistoso Internacional entre XV de Piracicaba x Romênia. O Jogo das faixas de comemoração do título de 1967. (Acervo Rocha Netto_.
DE PÉ: Mello Ayres, Protti, Neves, Claudinei, Zé Carlos, Hidalgo, Piloto e Donah;
AGACHADOS: Índio, Amauri, Luiz, Varner, Joaquinzinho e Piau.

Nos anos seguintes, Piau continuou como um dos principais destaques do XV de Piracicaba, sendo o quinto jogador da equipe com mais gols no ano de 1968, marcando cinco gols em 23 jogos.

Piau permaneceu no XV de Piracicaba até 23 de julho de 1970. Antes da saída de Piau, o XV de Piracicaba passou por uma grande crise administrativa. Como reflexo da crise fora das quatro linhas, alguns jogadores que estavam se sentindo descontentes tiveram seus preços estipulados, entre eles estava Piau, com preço fixado em 50 mil cruzeiros. O atleta foi considerado o mais valorizado do elenco, juntamente com Nicanor, que também deixou o XV pelo preço estipulado.

Piau deixou o XV emprestado para a equipe da Portuguesa, pelo prazo de 90 dias, a pedido do técnico da Lusa, João Avelino, mas acabou ficando na Lusa até o ano de 1973.

Após passar pela Portuguesa, Piau fez história no São Paulo, entre 1973 e 1977. Pelo tricolor, Piau atuou 154 jogos, conseguindo o título paulista de 1975. Piau ainda atuou parte do ano de 1975 emprestado o Corinthians, fazendo apenas 22 jogos pela equipe do Parque São Jorge.

FOTO: Piau em sua visita ao Barão no último sábado. (Site Oficial XV).

Atualmente, Piau é aposentado e mora na Capital Paulista e segue acompanhando de perto o futebol. Em entrevista ao Site Oficial do XV, Piau afirmou: "Fico na torcida para que o XV permaneça na elite do futebol. Uma cidade como essa, com torcedores apaixonados merece o time na primeira divisão”.

INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto, Site Oficial XV de Piracicaba e Site Terceiro Tempo.

BLOG HISTÓRIAS DO XV

segunda-feira, 26 de março de 2012

Histórias do XV agora no Facebook!

O Blog História do XV está crescendo cada vez mais!

Após alcançar uma média de acessos mensais superior a 1.500 leitores, o Blog anuncia seu novo endereço e a criação de sua página no Facebook!

O novo endereço do Blog, facilitando o acesso dos leitores é www.historiasdoxv.com!

Já no Facebook, o Histórias do XV pretende, juntamente com o Blog, manter o maior acervo virtual de fotos e informações do XV de Piracicaba!


Curta nossa página no facebook, www.facebook.com/historiasdoxv, e ajude a divulgar a história do nosso XV!

domingo, 25 de março de 2012

Jogos para História: O dia em que o XV derrubou o Corinthians de Sócrates no Pacaembu!

Na semana em que o XV de Piracicaba viaja até a cidade de São Paulo para enfrentar o Sport Club Corinthians Paulista, o Blog Histórias do XV relembra uma das partidas em que o alvinegro do interior surpreendeu o alvinegro da capital.

Em 1980, na quarta rodada do Campeonato Paulista daquele ano, o XV de Piracicaba viajou até a capital, onde enfrentaria, no Estadio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, a forte equipe do Corinthians.

A partida, marcada para a manhã de sábado, dia 25 de maio de 1980, trouxe maior sorte para a equipe do XV, que vinha de derrota sofrida em casa diante da Portuguesa e sabia da necessidade da recuperação.
A equipe da capital contava com grandes jogadores, como Zé Maria, Dr. Sócrates e o lendário Biro-Biro. Já o XV, contava com o grande goleiro Getúlio e o artilheiro Oriel, que deixou seu gol na partida.

Após um jogo bastante disputado, o XV saiu com a vitória por 2 x 1, com gols marcados por Oriel e Zé Luiz, que, por sinal, foi o grande destaque da partida, dando um verdadeira "baile" no lateral da seleção brasileira Zé Maria. Para o Corinthians, marcou Toninho.

Após o final da partida o XV deixou o gramado bastante aplaudido. Já o Corinthians teve que sair do Estádio do Pacaembu escoltado pela Polícia, pois os jogadores e diretores da equipe do Parque São Jorge saíram ameaçados pela Fiel torcida.

FOTO: Equipe do XV que venceu o Corinthians em 1980!
De pé: Vadinho, Pizelli, Alã, China, Ademir Carloni e Márcio Gomes;
Agachados: Ronaldo, Fio, Oriel, Rogério e Zé Luiz.

FOTO: Equipe do Corinthians que iniciou a partida contra o XV em 1980.

FOTO: Oriel, autor de um dos gols da vitória do XV!

FICHA DO JOGO
Data - 25 de maio de 1980
Local - Estádio Municipal do Pacaembu, em São Paulo/SP
Público/Renda - 12.150 / Cr$ 858.020,00

XV de Piracicaba
Pizelli; Alã, China, Ademir Carloni e Márcio Gomes; Vadinho, Fio e Rogério; Ronaldo, Oriel e Zé Luiz. Técnico: Arizona.

Corinthians
Solito; Zé Maria, Amaral, Djalma e Luiz Cláudio; Caçapava, Sócrates e Biro-Biro; Piter (Vaguinho), Toninho e Carlinhos (Basílio). Técnico: Julinho Barcelos.

Gols: Oriel e Zé Luiz (XV); Toninho (Corinthians). 

INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto (Acervo Pessoal).

BLOG HISTÓRIAS DO XV

quarta-feira, 21 de março de 2012

Futebol Feminino - Recuperando a história, XV espera fazer bonito em 2012!

Na semana em que o XV de Piracicaba apresentou a equipe de futebol feminino que irá representar o alvinegro no ano de 2012, o Blog Histórias do XV foi buscar em seus arquivos um dos momentos mais importantes para o futebol feminino de Piracicaba.

PASSADO - Em 1984, mais uma página da história do XV era escrita nos campos de Piracicaba. A equipe de futebol deminino do XV de Piracicaba entrou em campo pela primeira vez para a realização de uma partida internacional em sua história.

O futebol feminino que até hoje não recebe o devido apoio, recebia menos atenção na década de 80. A primeira partida internacional das "Quinzetes", como hoje são conhecidas as meninas do XV, foi realizada pela II Copa de Futebol Feminino, realizada, realizada pela Secretaria de Turismos e Esportes de Piracicaba, em 14 de outubro de 1984.


FOTOS: Equipes do XV e da Universidade Central posam para foto antes da partida (Acervo Rocha Netto)

A estreia internacional da equipe alvinegra foi bem sucedida, com vitória de 3 a 1 contra a equipe da Universidade Central da Venezuela.

FOTO: Geórgia era um dos destaques da equipe feminina do XV (Acervo Rocha Netto)

PRESENTE - Após anos buscando espaço no cenário nacional, a equipe de futebol feminino de Piracicaba finalmente conseguiu o apoio necessário para disputa das principais competições, com um elenco forte e qualificado, digno de representar toda a tradição da camisa zebrada do alvinegro.

A equipe feminina do XV, dirigida pelo treinador Marcello Frigério tem grandes expectativas para a temporada. Umas das expectativas é de que a equipe se qualifique para disputar a Copa Libertadores de Futebol Feminino, que pode até ser realizada na cidade de Piracicaba.

 Foto: Coletiva de anúncio da equipe feminina do XV, com Marcello Frigério.

Os principais destaques da equipe comandada por Frigério, são a lateral esquerda Dani, pré-convocada para disputa dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, e as Colombianas Andrea Peralta e Yoreli Rincón, que chega credenciada com uma das jogadoras mais habilidosas e promissoras do futebol feminino mundial.

Foto: Yoreli Rincón é uma das grandes esperanças da equipe feminina do XV!

A torcida aguarda com grande expectativa a estreia das Quinzetes na temporada 2012, com a esperança de muitas conquistas e vida longa para a equipe feminina do XV.

sábado, 3 de março de 2012

1949 - XV x São Paulo – Primeira conquista na elite foi sobre o tricolor, decidida pelos escanteios!

Logo após a conquista da Lei do Acesso no ano de 1949, o XV de Piracicaba estreou em grande estilo na elite do futebol paulista.

Surpreendendo todas as equipes que já se encontravam na primeira divisão do futebol paulista, o XV de Piracicaba foi derrubando todos os adversários, conquistando o título do Torneio Início em cima da equipe do São Paulo, a equipe que enfrentará o XV amanha, 04 de março de 2012, no Estádio Barão de Serra Negra.

Foto: Charge veiculada na "Gazeta Esportiva", dando boas vindas ao XV na elite do futebol paulista.

O Torneio Início era disputado entre as equipes que participariam do campeonato paulista do ano. O campeonato era disputado em um único dia, com partidas com duração total de 20 minutos, divididos em dois tempos de 10 minutos. Apenas a final do campeonato era disputado em 60 minutos divididos em dois tempo de 30.

A grande curiosidade do torneio era o critério de desempate das partidas: o número de escanteios.
Palmeiras – O XV de Piracicaba estreou na tarde do dia 29 de maio de 1949, contra a equipe do Palmeiras. A classificação do XV foi determinada pelo número de escanteios: 2 x 1 para o XV. As equipes foram a campo com os seguintes jogadores:

XV – Ari, Elias e Idiarte; Cardoso, Armando e Adolfinho; De Maria, Sato, Picolino, Gatão e Rabeca.
Palmeiras – Lourenço, Turcão e Gendo; Mexicano, Valdemar Fiume e Manduco; Lula, Ramon, Abelardo, Lero e Lima.

Foto: Equipe Campeã do Torneio Início 1949.
Em pé: Ari, Elias e Idiarte; Cardoso, Armando e Adolfinho.
Agachados: De Maria, Picolino, Sato, Gatão e Rabeca.

Nacional – Na segunda rodada do torneio início o adversário do XV foi o Nacional, que eliminou a Portuguesa de Desportos na primeira rodada.

Com um gol decisivo de Cardoso, o XV saiu com a vitória pelo placar mínimo, qualificando-se para as semi-finais do torneio início.

Ipiranga – Nas semi-finais o XV de Piracicaba enfrentou o então campeão do torneio início, que venceu em 1948, o Ipiranga.

Na partida mais tranquila da campanha, o XV de Piracicaba venceu o time da “Colina Histórica”, como era chamado o Ipiranga, por 2 x 0, com dois gols marcados por Rabeca.

FINAL – São Paulo – Após uma ótima campanha nas partidas de 20 minutos, o XV de Piracicaba se credenciou para enfrentar o São Paulo na final do torneio início.

Sem alterações no marcador, a partida foi decidida no número de escanteios conquistados. A vitória ficou com a equipe do XV, que conquistou 3 escanteios contra apenas 1 do Tricolor da Capital.

Com o título, o XV de Piracicaba ficou transitoriamente com a Taça do Torneio Início, que levava o nome de “Roberto Gomes Pedrosa”, Presidente da Federação Paulista de Futebol e ex-goleiro da seleção brasileira. Os times na final foram escalados da seguinte forma:
XV – Ari, Elias e Idiarte; Caroso, Armando e Adolfinho; De Maria, Sato, Picolino, Gatão e Rabeca.
São Paulo – Bertolucci, Sabério e Mauro; Bauer, Azambuja e Noronha, Chinha, Próspero, Fescina, Costa e De Camilo.

Foto: Charge veiculada no "O Governador".

FOTOS E INFORMAÇÕES: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto (Acervo Pessoal).

BLOG HISTÓRIAS DO XV

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

O dia em que o Guarani abandonou o gramado e perdeu!

No dia 27 de abril de 1924, o XV de Piracicaba recebeu em seus domínios a equipe do Guarani F.C, de Campinas, para disputa de uma partida amistosa.

A partida amistosa realizada no Campo da Rua Regente Feijó acabou com um fato inusitado: O Guarani abandonou o campo após a marcação de um pênalti a favor do XV, dando a vitória para o XV.
O JOGO: O primeiro gol da partida foi para a equipe de Campinas e, curiosamente, em uma cobrança de pênalti. A falta foi cometida por Rochele, dando a oportunidade para o Guarani abrir o placar. Nerino foi o responsável pela cobrança e bateu sem chances para o goleiro Tonico, abrindo o placar para a equipe de Campinas.

O XV não se abalou com o gol sofrido. Dez minutos após ter sofrido o primeiro gol, Marcondes bateu e marcou para o XV. No entanto, no segundo tempo o Guarani voltaria a ficar na frente do placar. Zequinha chutou de longe, a bola passou no meio das pernas do goleiro Tonico, e balançou as redes do alvinegro.

Apesar das dificuldades , o XV teve nova oportunidade de ficar na frente do placar, após a marcação de uma penalidade máxima para o XV. A marcação do pênalti revoltou os jogadores da equipe de Campinas. Após o "choro" dos jogadores da equipe do Guarani, o capitão do XV, Nardini, pegou a bola e bateu propositadamente para fora, sendo ovacionado pela torcida do XV, dando continuidade ao amistoso.

Todavia, faltando 10 minutos para o final do jogo, Joca, defensor do Bugre, colocou a mão na bola, fazendo com que Carlos Negri marcasse novo pênalti para a equipe de Piracicaba. A equipe de Campinas ficou novamente revoltada com a arbitragem e, em uma atitude anti-desportiva, deixou o gramado quando Pelegrino já se preparava para cobrar o pênalti.

FOTO: Fernando Pelegrino, que sequer precisou cobrar a penalidade para empatar a partida.

Sem possibilidade de continuar a partida, o Juiz encerrou a partida, dando como resultado final 2 x 2. O placar final foi o que menos importou foi o resultado, ficando a data marcada apenas pelo triste fato do abandono de campo dos jogadores do Guarani.

FICHA TÉCNICA

XV DE PIRACICABA 2 x 2 GUARANI (ABANDONO)

XV de PIRACICABA
Tonico, Mônaco e Aquiles; Chico Rochelle, Beppe Thomazielo e Nardini; Martinho, Pereira, Marcondes, Alemão e Pelegrino.

GUARANI
Hugo, Joca e Angelino; Adolfo, Tavares e Joaquim; Nicolau, Zequinha, Barbarena, Nerino e Pilla.

FOTOS E INFORMAÇÕES: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I" - Delphim F. Rocha Netto (Acervo Pessoal).

BLOG HISTÓRIAS DO XV

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Personagem do Mês - 02/2012 - Moisés Egert

O Personagem do mês não poderia ser outro. Após exatos dois anos no efetivo comando do XV de Piracicaba, o treinador Moisés Egert anunciou, na última segunda-feira, seu desligamento do clube.

A saída de Moisés aconteceu após a derrota da equipe do XV para a Catanduvense, até então lanterna do Campeonato Paulista.

Apesar da campanha ruim no ano de 2012, a passagem de Moisés pelo XV ficará marcada pelos excelentes resultados obtidos: Acesso da Série A3 e A2 e título de Campeão Paulista da Série A2.

Para homenagear o maior destaque do XV nos últimos dois anos, o Blog Histórias do XV faz uma homenagem ao treinador.

Moisés, como jogador, autuou pelas seguintes equipes: Juventude-RS, Esportivo-RS, Chapecoense-SC, Paraná, XV de Piracicaba, União Barbarense, XV de Jaú, Monte Azul e Internacional de Limeira. A boa carreira de Moisés como jogador foi interrompida de forma breve, aos 30 anos, em 2007, em virtude de uma séria lesão no joelho, denominada como condromalácia femoral-patelar.
Foto: Moisés atuando pela Internacional de Limera.

Após abandonar o futebol dentro das quatro linhas, Moisés Egert iniciou seu trabalho fora dos campos como auxiliar técnico da equipe do XV de Piracicaba. Sua primeira oportunidade de trabalho como treinador surgiu em 14/10/2009, após o pedido de demissão do então treinador Lelo, na Copa Paulista. Lelo se desentendeu com a Diretoria pois não aceitou a atitude de liberar atletas do time profissional para os Jogos Abertos do Interior.

Naquele momento, o XV somava somente 2 pontos em 3 jogos pela segunda-fase da Copa Paulista, correndo sério risco de eliminação. Apesar de estrear com uma derrota contra o Sertãozinho, Moisés conduziu o XV à boas vitórias contra Grêmio Osasco e Atlético de Sorocaba, levando o XV à fase quartas de final do campeonato. A equipe foi eliminada após boas atuações contra Mogi Mirim.

Apesar do bom desempenho no comando da equipe, a Diretoria do XV anunciou a contratação de Nei Silva para assumir o comando da equipe na Série-A3 de 2010.
Foto: Moisés, então auxiliar técnico, ao lado do treinador Nei Silva.


Sob o comando de Neio Silva, o XV iniciou o campeonato de forma bastante abaixo do esperado, somando apenas um ponto em quatro jogos disputados. Diante da péssima campanha, Nei Silva foi demitido do cargo, fazendo com que Moisés Egert assumisse mais uma vez o XV de forma interina.
O primeiro grande desafio de Moisés foi contra o Taubaté, diante da torcida no Estádio Barão de Serra Negra. Após um jogo muito difícil, com um gol de Alex Neguitão, que havia entrado ao longo do jogo, a equipe do XV venceu a primeira, dando início à vitoriosa campanha de Moisés no comando do XV.

Após mais uma série negativa, Moisés Egert correu sérios riscos de deixar o comando técnico da equipe novamente. No entanto, após uma vitória de 2 x 0 contra o Araçatuba, na casa do adversário, Moisés ganhou a confiança da torcida, sendo mantido de forma definitiva no cargo.
Após bons jogos, o técnico Moisés Egert brilhou pela primeira vez no comando do XV, conduzindo a equipe no acesso para a Série A2, após o épico empate contra o Comercial, que ficou conhecido como “Batalha de Ribeirão”.

Já pela Copa Paulista, Moisés Egert conduziu a equipe do XV a mais uma boa campanha. No entanto, sem muitos reforços, a equipe foi eliminada nas quartas de final, após uma derrota vexatória contra o Linense, por 5 x 0 na casa do adversário e uma vitória espetacular por 3 x 0 no Estádio Barão de Serra Negra, com grande atuação de Paulinho, que não foi suficiente para evitar a eliminação.

O ano de 2011 começou com muitas críticas à equipe treinada por Moisés Egert. Após um empate sem gols na estreia contra o PAEC, sem a presença de muitos dos reforços esperados pela torcida, parte dos torcedores que acompanharam a primeira partida afirmaram que a equipe teria que lutar muito para não voltar para a Série A3.

As afirmações absurdas de alguns duraram pouco tempo. Na segunda partida a equipe comandada por Moisés demonstrou que, ao contrário do imaginado antes, iria lutar pelo acesso, vencendo o São José por 4 x 1, na casa do adversário, que havia goleado o Rio Branco por 5 x 0 em Americana.

Depois de uma excelente primeira fase, o XV foi para a fase decisiva como favorito para conseguir o acesso. No entanto, os fracassos de anos anteriores ainda não deixavam o torcedor do XV tranquilo.

Contra todas as desconfianças, Moisés demonstrou mais uma vez sua capacidade. Conduziu o XV ao acesso com uma rodada de antecedência, goleando a equipe do Monte Azul, no estádio do adversário, por 4 x 1. Após o acesso a equipe foi recebida com muita festa pela torcida, que ovacionou o técnico Moisés, grande responsável pelo retorno do XV à elite do futebol paulista após 16 anos.
Se não bastasse a conquista do acesso, Moisés conseguiu o primeiro título de sua carreira como técnico. Após uma partida muito disputada contra o Guarani no Estádio Barão de Serra Negra, o XV conseguiu o título nos pênaltis, levando ao delírio os quase 20 mil torcedores que lotaram o Barão.

Já pela Copa Paulista, a campanha do XV não foi das melhores. Após a classificação na primeira fase, o XV acabou sendo eliminado na segunda fase, após derrota para o equipe do Comercial em Ribeirão Preto. A eliminação não foi motivo de grandes tristezas pelo lado do Barão, já que o time do XV teria mais tempo para se preparar para o ano de 2012.

Foto: Moisés já como treinador do XV!

Com toda confiança da torcida e da Diretoria em seu trabalho, Moisés Egert foi mantido no cargo para a volta do alvinegro à primeira divisão do Futebol Paulista.
No entanto, após muita expectativa, o retorno tão esperado do XV para a elite do futebol paulista não foi como os piracicabanos esperavam. Sem nenhum dos principais reforços almejados pelo treinador, a equipe não conseguiu iniciar o campeonato da forma esperada.
Após um bom empate contra a equipe do Santos no Barão, a equipe do XV não conseguiu bons resultados no campeonato. Com apenas 5 pontos em 7 jogos disputados, a Diretoria do XV, após a derrota para a Catanduvense no último domingo, aceitou o pedido de demissão de Moisés Egert que encerrou sua vitoriosa passagem pelo XV, com 101 jogos, com 47 vitórias, 32 empates e 22 derrotas.
A torcida do XV agradece ao treinador Moisés Egert pelos 2 anos de dedicação ao XV de Piracicaba como treinador da equipe. Apesar de sua saída, todos os torcedores tem certeza de que esse não foi um ADEUS, mas apenas um ATÉ LOGO!

Blog Histórias do XV

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

XV x Palmeiras - A primeira partida: 1922

Na semana em que XV de Piracicaba e Palmeiras voltam a se enfrentar em partida válida pelo Campeonato Paulista da Série A1 de 2012, o blog Histórias do XV foi em buscar da primeira partida entre as equipes.

Após pesquisas nos arquivos, encontramos a primeira partida entre as equipes. No dia 22 de outubro de 1922, a equipe do Palestra Itália visitou a cidade de Piracicaba para enfrentar o XV de Piracicaba em partida amistosa.

A partida foi marcada por muita agitação na cidade de Piracicaba, já que o Palestra Itália havia conseguido o título paulista de 1920. A equipe da Capital foi recebida com muitos aplausos pelos torcedores do alvinegro, que quase viram a equipe da casa derrotar a poderosa equipe da Capital.

O JOGO - O XV de Piracicaba, jogando em casa, atacou com insistência a meta do Palestra Itália. No entanto, com boa atuação do goleiro Primo, os atacantes do alvinegro não conseguiram furar a barreira do Palestra.

Após um primeiro tempo de muito equilíbrio e um segundo tempo amplamente dominado pelo XV, no momento em que tudo apontada para um empate sem gols, Ministro chutou e Jacob Schmidt desviou de cabeça, enganando o goleiro Tonico que nada pode fazer, marcando o único gol do jogo: XV 0 x 1 Palestra Itália.
FOTO: Jacob Scmhidt - Jogou bem, mas ficou marcado pelo gol contra.

PÓS JOGO - Apesar da derrota, tendo em vista a força da equipe da Capital, a derrota do XV valeu como vitória, pois o XV recebeu diversos telegramas vindos de várias partes do Estado de São Paulo parabenizando a equipe de Piracicaba pela sua ótima atuação.

FICHA DO JOGO

XV de PIRACICABA - Tonico; Schmidt e Lalito; Achiles, Alberto e Nardini; Jacob, Pereira, Pelegrino, Alemão e Cachimbo.

Palestra Itália - Primo; Gasperini e Nigro; Bertolini, Xingo e Fabbi; Angelino, Ministro, Azzi, Imparatinho e Mele
Árbitro: Mário Paseroti


FOTOS E INFORMAÇÕES: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I" - Delphim F. Rocha Netto (Acervo Pessoal)

BLOG HISTÓRIAS DO XV

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

XV de Piracicaba X Botafogo-RP: Duelo de tradição!

Nesta quarta-feira o XV de Piracicaba viaja até a cidade de Ribeirão Preto para enfrentar a equipe do Botafogo. A partida reunirá duas das equipes mais tradicionais do interior do Estado de São Paulo, no lugar em que ambas estão por merecimento: A primeira divisão do Futebol Paulista.

Para o confronto, o blog Histórias do XV apresenta a foto de um dos jogos entre as equipes. A partida foi disputada em 17 de agosto de 1986, no Estádio Barão da Serra Negra, e acabou com a vitória da equipe de Ribeirão Preto pelo placar de 2 x 0.

O destaque da foto fica por conta da presença do garoto Raí, que na época tinha 21 anos, e 8 anos depois deixaria os Estados Unidos como campeão mundial de futebol com a Seleção Brasileira. Pelo lado do XV, o jogador que aparece ao lado de Raí é Machado.

FOTOS E INFORMAÇÕES: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto (Acervo Pessoal).

BLOG HISTÓRIAS DO XV

domingo, 22 de janeiro de 2012

A torcida voltou a sorrir!

Após 17 anos da partida que denominei "A torcida era feliz e não sabia", entre XV e Santos, realizado em 12/02/1995, a torcida voltou a sorrir com a presença do time do litoral em Piracicaba, disputando a divisão principal do Futebol Paulista.

Após 16 anos longe da elite de futebol paulista, o XV de Piracicaba voltou em grande estilo à elite do Futebol Paulista. O jogo entre XV de Piracicaba x Santos foi marcado pela presença de autoridades do Futebol de São Paulo e da grande torcida do XV.

Com direito a muita festa pela reabertura do Estádio Barão de Serra Negra, que passou por grandes reformas promovidas pela Prefeitura Municipal de Piracicaba, o XV de Piracicaba demonstrou que vai honrar suas tradições durante o Paulistão!
Um dos pontos altos do dia da partida foi a inauguração do "HALL DO XV", localizado na entrada da Cativa do Barão. No local foram colocados diversos quadros de equipes que marcaram a história do alvinegro, emociando grande parte dos torcedores que assistiram à partida nas cadeiras numeradas.




Além da boa exibição da equipe do XV (todos os detalhes da partida), a presença de um ilustre torcedor emocionou novamente os torcedores do Alvinegro. A presença ilustre foi do ex-jogador Sato, um dos grandes jogadores do esquadrão alvinegro de 1947/48, conhecido como "Pioneiro da Lei do Acesso". Sato se emocionou nas arquibancadas com o gol de empate do XV, marcado por André Cunha no final da partida.

Após a partida, o Presidente do Santos, Luís Alvaro Oliveira Ribeiro falou para Rádio Onda Livre, demonstrando todo seu respeito pela equipe do XV, relembrando de jogadores históricos do alvinegro, como Gatão e Sato.
Por fim, outra novidade apresentada na partida foi a nova frase pintada na Estádio Municipal Barão da Serra Negra. A frase de autoria de Rui Kleiner foi completada na nova pintura do Barão. Aos torcedores, o autor afirmou: "Quero dizer que a frase não é minha: eu apenas descobri (em parceria) uma forma poética de abranger e homenagear a nação quinzista toda (torcida, jogadores do passado e do presente, diretoria, comissão e piracicabanos de coração) junto com seus símbolos, sua história e suas tradições culturais/rurais"


O Blog Histórias do XV parabeniza todas as pessoas responsáveis por mais um momento histórico para o Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba: torcida, diretoria, jogadores, comissão técnica e todos os demais envolvidos com o Alvinegro.
 
FOTOS E INFORMAÇÕES: Acervo Pessoal.
 
BLOG HISTÓRIAS DO XV