Confira mais sobre o XV!

sábado, 21 de abril de 2012

Personagem do Mês 04/2012 - Gatão

No mês de abril de 2012, o Blog Histórias do XV prepara uma justa homenagem ao maior artilheiro da história do XV de Piracicaba: Gatão.

Vicente Naval Filho, o Gatão, iniciou sua passagem no futebol em 14 de maio de 1944, defendendo as cores da S. R. Palmeiras, em partida contra a equipe do Paulista F.C., em partida válida pelo Campeonato Piracicabano de Futebol. O jogador fez sua estreia com o pé direito, já que a equipe da S.R. Palmeiras venceu o Paulista pelo placar de 3 x 2.

FOTO: Gatão em sua estreia pela S.R Palmeiras, de Piracicaba (1944).

Em sua temporada de estreia, Gatão marcou apenas 3 gols, mas despertou interesse dos diretores da equipe do XV pelo bom futebol apresentado.

Após 1 ano e meio de sua estreia nos campos piracicabanos, Gatão assinou contrato com o XV de Piracicaba em 30 de dezembro de 1945. A notícia da contratação de Gatão foi tida como a melhor notícia dos últimos tempo no XV de Piracicaba.

XV DE PIRACICABA
Gatão fez sua estreia oficial com a camisa do XV em um jogo internacional, contra o Libertad do Paraguai, em 18 de janeiro de 1946. Após um jogo muito disputado, a equipe saiu derrotada, pelo placar de 3 x 2, sem nenhum gol do estreante Gatão. Os dois gols do XV foram marcados pelo jogador Alicate.

O primeiro gol de Gatão não demorou a sair. Logo em sua segunda partida com a camisa do XV, no dia 20 de janeiro de 1946, o artilheiro decidiu a partida para o XV diante da Internacional de Limeira, marcando o terceiro gol da vitória por 3 x 2 da equipe Piracicabana.


FOTO: Gatão iniciou sua tragetória no ano de 1946. Na foto Cardeal, Berto, Idiarte, Gatão e Rabeca, em partida contra o Paulista da cidade de Araraquara, que terminou em 8 x 2 para o XV.

Ao longo de sua passagem pelo alvinegro, Gatão foi campeão da 15ª Região, que credenciou o alvinegro para disputa do Campeonato do Interior, bi-campeão do Campeonato do Interior (1947-48) e Campeão do Torneio Início do Campeonato Paulista em 1949.

Gatão fez parte da equipe Pioneira da Lei do Acesso, lembrada até hoje pelos Piracicabanos, com a seguinte escalação: Ari, Elias, Idiarte; Cardoso, Straus e Adolfinho; De Maria, Sato, Picolino, Gatão e Rabeca. A equipe terminou o campeonato com 6 pontos de vantagem para o segundo colocado: Guarani, que ficou com o vice-campeonato. Na ocasião, Gatão foi o artilheiro do XV de Piracicaba, com 18 gols marcados.

FOTO: O ataque que encantou a torcida no ano de 1948: Cardeal e Rabeca (em cima); Sato, Picolino e Gatão (em baixo).

Ainda pelo XV, Gatão foi convocado para a seleção paulista, convidada para realizar o jogo de abertura do Maracanã, construído para realização da Copa do Mundo de 1950. Junto com Gatão, outro jogador que fez história do XV convocado pela seleção Paulista foi Dema, que na época atuava pelo Plameiras. Apesar de não entrar em campo na partida, Gatão começava cada vez mais a despertar o interesse das grandes equipes do Futebol Brasileiro, especialmente Corinthians, São Paulo e Flamengo.

Gatão encerrou sua primeira passagem pelo XV de Piracicaba em 14 de fevereiro de 1952, no empate na partida amistososa contra a equipe do Guarani, na cidade de Campinas. Na última partida de sua primeira passagem, Gatão deixou sua marca, mostrando que deixaria saudades na torcida alvinegra.

Foto: Gatão deixando sua marca em mais uma partida do XV, contra a Internacional de Limeira, na cidade vizinha.

Oficialmente, Gatão encerrou sua passagem pelo XV em 29 de fevereiro de 1952, quando assinou com o Corinthians, com passe fixado em Cr$ 1.200.000,00.

CORINTHIANS
Gatão teve sua estreia no Corinthians em 1º de março de 1952, contra o Botafogo-RJ, em partida válida pelo Torneio Rio-São Paulo do ano em questão.

Ainda em 1952, Gatão integrou a delegação da equipe do Corinhians que viajou até a Europa para enfrentar equipes da Espanha, Itália, Portugal, Turquia, Suécia, Finlândia, Argentina e Colômbia, obtendo 16 vitórias e apenas uma derrota contra o Bechitash, da Turquia, perdendo por 1 a O.

Pela equipe do Parque São Jorge, Gatão foi Campeão Paulista dos anos de 1952 e 1954 e Bi-campeão do Torneio Rio São Paulo nos anos de 1953/54. Ao longo de sua passagem pelo Corinthians, Gatão disputou 79 jogos e marcou 18 gols.

XV DE PIRACICABA
Gatão regressou ao XV na noite do dia 3 de maio de 1955, quando foi trazido de volta para a equipe de Piracicaba juntamente com Marcílio Guerra.

Apesar de não conquistar título pelo XV de Piracicaba em sua segunda passagem pelo clube, Gatão continuou encantando a torcida piracicabana, com grandes atuações e muitos gols.

FOTO: Gatão ao lado do grande destaque do Brasil de 1950, Zizinho, em jogo entre XV e São Paulo realizado em 1957!

Em sua carreira pelo XV de Piracicaba, Gatão disputou 423 jogos e marcou 202 gols, maior marca da história de um jogador pelo XV de Piracicaba em sua quase centenária história.

Gatão encerrou sua carreira de jogador em 7 de janeiro de 1961, em partida amistosa entre XV de Piracicaba e Nacional, da cidade de Jundiaí. A partida terminou com vitória do XV pelo placar de 3 x 1, sem gols marcados pelo artilheiro Gatão. Na noite da despedida do artilheiro, na sede do XV foi inaugurada uma foto de Gatão, que compareceu com toda família e amigos para receber a homenagem. Após o encerramento da cerimônia, foi oferecido um jantar no restaurante "A Brasserie" para comemorar a despedida de Gatão.

Após encerrar sua carreira como jogador em 7 de janeiro de 1961, Gatão ainda não havia encerrado sua história no XV de Piracicaba.

Técnico

Gatão retornou ao XV como treinador em quatro oportunidades. A última delas foi em 1986, quando Gatão foi convocado para ajudar o alvinegro a escapar do rebaixamento. Assumiu a equipe em 26 de julho, com a demissão do treinador Julinho. Estreou logo com uma vitória sobre o Juventus na cidade de São Paulo, vencendo em seguida Guarani e Mogi Mirim e conseguindo um empate contra o América, na cidade de Rio Preto, salvando o XV do rebaixamento com duas rodadas antes do final do Paulistão.

Com a missão cumprida, Gatão pediu demissão logo após o jogo contra o América, já que ficou revoltado con a atuação do árbitro Ulisses Tavares da Silva, que havia feito de tudo para prejudicar o XV contra a equipe de Rio Preto.

FOTO: Após salvar o XV do rebaixamento em 1986, Gatão recebe o "Cartão de Prata" das mãos do capitão Aílton Luiz.

Gatão faleceu tempos depois em decorrência de um câncer, que levou um dos maiores personagens da história do XV.


INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I E PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto.

Blog Histórias do XV

terça-feira, 3 de abril de 2012

Jogos para História - A Ponte caiu: 8 x 1!

Na semana mais importante para o XV nos últimos anos, o Blog História do XV viajou para o ano de 1924, buscando o maior placar registrado até hoje entre XV de Piracicaba e Ponte Preta, equipe que o alvinegro enfrenta no próximo domingo, às 18:30, pela 18ª rodada do Campeonato Paulista.

O dia 24 de junho de 1924 marcou a maior goleada de todos os tempo do clássico do interior do Estado de São Paulo: XV de Piracicaba 8 x 1 Ponte Preta.

A partida disputada na cidade de Piracicaba, levou um bom número de torcedores para acompanhar a equipe da cidade contra a tradicional Ponte Preta. Os torcedores que compareceram saíram entusiasmados com a boa atuação da equipe do XV que venceu a equipe da Ponte pelo elástico placar de 8 x 1.


FOTO: Destaque de "A história do XV" para a goleada do alvinegro!

Os gols dos XV foram marcados por Marcondes (3 gols), Pereira (3 gols) e Mazzonetto (2 gols). A Ponte Preta descontou com Bino, em uma cobrança de pênalti.

O XV de Piracicaba entrou em campo com a seguinte formação: Tonico, Mônaco e Carmo; Achiles, Chico Rochele e Nardini; Alemão, Mazzonetto, Pereira, Marcondes e Pelegrino.

FOTO: Pereira, um dos artilheiros da partida, marando 3 gols contra a A.A. Ponte Preta.

INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE I" - Delphim F. Rocha Netto\

BLOG HISTÓRIAS DO XV

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Personagem do Mês - 04/2012 - Piau

No jogo do último sábado, contra o Comercial de Ribeirão Preto, o XV de Piracicaba recebeu uma ilustre visita para acompanhar a partida. Trata-se do ex-jogador Piau, que vestiu a camisa do XV entre os anos de 1966 e 1970, sendo Campeão Paulista da divisão de acesso no ano de 1967.

Aproveitando sua visita em Piracicaba, o Blog Histórias do XV escolheu Piau como personagem do mês de abril de 2012.

HISTÓRIA - Eronides de Souza, o Piau, nasceu 06 de setembro de 1948, na cidade de Getulina no interior de São Paulo.

Começou sua carreira na equipe do Linense, no ano de 1966. Após se destacar em uma equipe que contava com Leivinha, Piau foi trazido para o XV de Piracicaba para disputa da Divisão de Acesso do Campeonato Paulista de 1966, que acabou com o vice-campeonato do XV de Piracicaba.

Piau chegou ao XV de Piracicaba após uma partida entre o XV e a equipe do Linense, realizada em 9 de março de 1996, em que o XV venceu a equipe de Lins pelo placar de 2 x 0, com gols de Lopes e Nicanor. Dias após a partida, no dia 12 de março de 1966, as diretorias de XV e Linense acertavam a transferência do jovem Piau, de apenas 17 anos, pelo valor de 20 milhões de cruzeiros.

FOTO: Piau, em sua chegada ao XV, ao lado de Lopes (Acerco Rocha Netto).

Piau fez sua estreia pelo XV em 20 de março de 1966, contra a A.A. Francana, que derrotou o XV no Barão de Serra Negra pelo placar de 2 x 1.

FOTO: Ataque do XV, formado por Zezinho, Luiz, Mazinho, Eli Cotucha e Piau. (Acervo Rocha Netto).

Após o vice-campeonato da Divisão de Acesso de 1966, quando o XV foi derrotado pela Ferroviária de Araraquara, Piau comandou a equipe do XV de Piracicaba no título da Divisão de Acesso de 1967. A equipe do XV contava com grandes jogadores, como Nicanor, Amauri e Hidalgo.

Na partida decisiva do título de 1967, realizada em 17 de janeiro de 1968, no Estadio do Pacaembu, Piau foi o responsável por marcar um dos gols que deram o título ao alvinegro, na vitória por 4 x 3 contra o Bragantino.


FOTO: Amistoso Internacional entre XV de Piracicaba x Romênia. O Jogo das faixas de comemoração do título de 1967. (Acervo Rocha Netto_.
DE PÉ: Mello Ayres, Protti, Neves, Claudinei, Zé Carlos, Hidalgo, Piloto e Donah;
AGACHADOS: Índio, Amauri, Luiz, Varner, Joaquinzinho e Piau.

Nos anos seguintes, Piau continuou como um dos principais destaques do XV de Piracicaba, sendo o quinto jogador da equipe com mais gols no ano de 1968, marcando cinco gols em 23 jogos.

Piau permaneceu no XV de Piracicaba até 23 de julho de 1970. Antes da saída de Piau, o XV de Piracicaba passou por uma grande crise administrativa. Como reflexo da crise fora das quatro linhas, alguns jogadores que estavam se sentindo descontentes tiveram seus preços estipulados, entre eles estava Piau, com preço fixado em 50 mil cruzeiros. O atleta foi considerado o mais valorizado do elenco, juntamente com Nicanor, que também deixou o XV pelo preço estipulado.

Piau deixou o XV emprestado para a equipe da Portuguesa, pelo prazo de 90 dias, a pedido do técnico da Lusa, João Avelino, mas acabou ficando na Lusa até o ano de 1973.

Após passar pela Portuguesa, Piau fez história no São Paulo, entre 1973 e 1977. Pelo tricolor, Piau atuou 154 jogos, conseguindo o título paulista de 1975. Piau ainda atuou parte do ano de 1975 emprestado o Corinthians, fazendo apenas 22 jogos pela equipe do Parque São Jorge.

FOTO: Piau em sua visita ao Barão no último sábado. (Site Oficial XV).

Atualmente, Piau é aposentado e mora na Capital Paulista e segue acompanhando de perto o futebol. Em entrevista ao Site Oficial do XV, Piau afirmou: "Fico na torcida para que o XV permaneça na elite do futebol. Uma cidade como essa, com torcedores apaixonados merece o time na primeira divisão”.

INFORMAÇÕES E FOTOS: "A HISTÓRIA DO XV - PARTE II" - Delphim F. Rocha Netto, Site Oficial XV de Piracicaba e Site Terceiro Tempo.

BLOG HISTÓRIAS DO XV